PT insiste por coligação nacional com o PSB

Gleisi Hoffmann registrou 'insistência' do PT por coligação nacional com o PSB / Foto: Guga Matos/JC Imagem

Ao comentar o cenário local, a presidente nacional do PT também fez gestos no sentido do entendimento com os socialistas. “É óbvio que Marília (Arraes) quer ser candidata. O PT tem uma grande base que defende a candidatura. Mas eles entendem a estratégia nacional. E sabem que o que muda a vida do povo efetivamente é um projeto nacional de mudança nas bases da condução da política-econômica”, sinalizou.
A assessoria de Marília Arraes disse que o que ela tinha para falar, ela fez há dois dias, após a reunião do PT-PE com Gleisi. Na ocasião, ela disse que continuava empenhada na pré-candidatura e que pediria à Justiça para visitar Lula em Curitiba.
Após o encontro, Gleisi agradeceu a Paulo por defender Lula, inclusive nos casos que envolvem a prisão do ex-presidente. Ela citou a carta dos governadores com críticas ao juiz federal Sérgio Moro que foi subscrita pelo governador de Pernambuco.

Aceno a Márcio França

Ao lado de Câmara, a presidente do PT também fez uma sinalização para o governador de São Paulo, Márcio França, ao dizer que o socialista não é o adversário prioritário dos petistas na disputa estadual, mas o ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB). O gesto ocorreu após o jornal O Estado de S. Paulo noticiar que o PT teria oferecido retirar a candidatura de Luiz Marinho para uma aliança com França; o que Gleisi negou.
“Não chegamos a conversar sobre isso em São Paulo. Nunca foi uma pauta colocada na mesa essa conversa. Até pelo posicionamento que tem o governador Márcio França, que nós respeitamos o posicionamento dele. Mas também não temos ele como adversário prioritário do PT lá. O nosso adversário é o PSDB. É o Doria. Essa gente que está dando sustentação a política do Michel Temer”, afirmou.
Uma das principais resistências a um entendimento com o PT, França é próximo do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), mas tem feito sinais de que busca o palanque de Ciro Gomes (PDT) por causa da disputa com Doria.

Nenhum comentário