Nova edição de Auto da Compadecida traz ilustrações de Dantas Suassuna

A Compadecida imaginada por Dantas Suassuna / Dantas Suassuna/Divulgação



Mesmo antes de nascer, já estava marcado que o artista plástico Dantas Suassuna teria uma relação especial com uma das obras do seu pai, Auto da Compadecida. Foi o sucesso da peça, escrita em 1955, que fez Ariano Suassuna comprar a sua famosa casa na Rua do Chacon, onde Dantas nasceria e o autor moraria até seu encantamento, em 2014. A partir daí, em encenações, adaptações e leituras, o texto não deixaria de acompanhar o filho, hoje responsável por cuidar da obra do pai.
O texto mais famoso de Ariano, adaptado para TV e para o cinema, ganhou agora uma nova edição pela Nova Fronteira. Parte do processo de republicação das obras de Ariano após a sua morte, o título era um dos que tinha o texto bem definido por Ariano ainda em vida. Ainda assim, ganhou o cuidado gráfico do novo projeto editorial, feito por Ricardo Gouveia de Melo, e ilustrações inéditas de Dantas.
Para forjar a sua versão da famosa história de João Grilo e Chicó, Dantas mergulhou no que foi, no início de sua trajetória, a base do seu trabalho, como as xilogravuras do cordel e a arte rupestre. “Voltei a isso já como um artista amadurecido”, comenta.
Quando, em 2013, conversou com seu pai e com Carlos Newton sobre o projeto de Ariano para reunir em uma só editora a obra que produziu, ouviu do pai que deveria fazer ilustrações para a peça. Era uma aproximação do legado que, por muito tempo, manteve distante para desenvolver uma caminho artístico próprio.



“Quando ele estava vivo, eu não chegava muito perto da obra do meu pai. Ele já estava ali para trabalhar com o seu universo. Com o encantamento dele, eu me senti no direito de continuar o que ele fez”, conta Dantas. Nesta sexta (6/7), ele inaugura a nova ala do Cais do Sertão com uma exposição intitulada Avoenga. O nome, que significa o “direito de herdar”, é preciso: o artista criou mais de 20 pinturas baseada nas imagens do livro Ferros do Cariri, de Ariano.

Nenhum comentário